Total de visualizações de página

segunda-feira, 12 de março de 2012

José, um preso livre.


http://2.bp.blogspot.com/-iexoIiiSuII/T14GaXsmW6I/AAAAAAAAAWM/e937UXKHH1M/s1600/algemado.jpg
     José, filho de Jacó,  teve muitos motivos para ser uma pessoa amargurada e desconfiada. Quando ainda morava na casa de seu pai, ele foi odiado por seus irmãos, que não conseguiam  falar-lhe de modo pacífico (Gen 37.4). A razão era o fato de Jacó amar mais a José do que os outros filhos. Isso não era culpa de José, portanto o ódio e a implicância de seus irmãos era sem sentido. E havia algo pior do que a ira,  a inveja de seus irmãos (Gen 37.11; Pv 27.4). Mas José agia com coração puro para com seus irmãos, era transparente em contar os sonhos que Deus lhe dera, e foi sozinho ao encontro deles em um lugar distante (Gen 37.12-25).
Quando estava no Egito, José também poderia ter ficado ressentido. Fora para lá  vendido como escravo;  seus irmãos não atenderam  ao seu clamor aflito, quando pediu a piedade deles (Gen 42.21); estava  longe do amor de seu pai;  e agora escravo em uma terra estranha. Mas ele manteve seu coração puro, servindo ao seu senhor como estivesse servindo a Deus.
E quando esteve na cadeia, José poderia ter deixado a amargura dominar seu coração, afinal, mais uma vez fora traído, e ainda acusado e preso injustamente. Mas não era esta sua atitude, ele se preocupa com a tristeza e problemas dos que estão a sua volta, e se dispões a ajudá-los (Gen 40.6-8). Foi esquecido pela pessoa que ajudara (Gen 40.23). Mesmo preso, José tinha um coração livre para amar e perdoar. E quando chamado se dispôs a ajudar, mesmos em saber o que seria feito dele (Gen 41).
     O perdão no coração deve ser automático, não podemos guardar ressentimentos, amargura, desejo de vingança, etc. Nosso coração deve desejar o bem para aqueles que nos prejudicaram. Foi assim com José. Se ele tivesse permitido ressentimento em seu coração, ele não teria prosperado como prosperou. Sua alma amargurada não teria se concentrado nas tarefas que tinha diante de si, não poderia ter feito o trabalho com o esmero que fez, não teria se preocupado com a tristeza das pessoas ao seu redor, não teria se preocupado em não pecar contra Deus. Sua alma manteve a pureza de um coração que perdoa e não se preocupa em se vingar.  Apesar de preso, ele era livre. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja sincero, verdadeiro. Busque contribuir para a edificação de outros.